Publicado em 28/04/2017 às 11h21

DÍVIDAS RURAIS DO VALE DO MUCURI SERÃO PRORROGADAS PELO GOVERNO FEDERAL

Atuação do deputado federal Fábio Ramalho foi fundamental para a conquista, garante Acassio Vieira

1474

Henrique Meirelles, Acassio Vieira e Fábio Ramalho

O prefeito de Carlos Chagas, Acassio Vieira, conseguiu uma grande vitória ao ter obtido junto ao Banco Central do Brasil, a prorrogação das dívidas bancárias dos produtores do Vale do Mucuri. Desde quando assumiu o mandato e com a seca que assolou toda a região, causando inúmeros prejuízos aos produtores, o prefeito não mediu esforços para buscar uma solução imediata.

A intervenção do deputado federal Fábio Ramalho, contribuiu sistematicamente para a prorrogação das dívidas rurais, que serão publicadas por Portaria, em conformidade com a Resolução nº 4.159 de 14 de setembro de 2016. O vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), e coordenador da bancada de Minas Gerais no Congresso Nacional, conseguiu tal vitória após reunião nos dias 19 e 20 de abril com o presidente Michel Temer.

 Segundo o deputado Fábio Ramalho, o presidente Michel Temer garantiu a aprovação da medida, que deverá entrar em vigor na próxima semana. De acordo com o deputado Fabio Ramalho, “a resolução do Banco Central do Brasil, terá autorização outorgada até o fim do mês de abril e incluirá os produtores do semiárido de Minas Gerais com os mesmos benefícios de prorrogação e renegociação das dívidas rurais já destinados aos estados do Nordeste brasileiro, que também fazem parte da área da Sudene”, disse.

O prefeito Acassio Vieira, acompanhado do deputado Ramalho, foi recebido em audiência pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles, no dia 12, para as tratativas finais.

‘‘Temos acompanhado a aflição do produtor rural em nossa região. Carlos Chagas foi vítima de uma estiagem nunca vista em sua história, desta forma, entendemos que a prorrogação vem em boa hora e num momento em que nossa economia precisa de um auxílio para se refazer’’, disse Acassio.

De acordo com último relatório sobre os efeitos da seca no Norte de Minas, assinado pelos engenheiros agrônomos Reinaldo Nunes e Ricardo Demichelli, que na época exerciam os cargos de coordenador técnico e gerente regional na Unidade Regional da Emater-MG em Montes Claros, "torna-se imperativo providências no sentido de amenizar os efeitos da seca, principalmente com relação a estruturação das unidades de produção ligadas as atividades rurais, através de crédito com prazos mais dilatados, revisão repactuação das dívidas vencidas e vincendas, entendendo que a atual situação não viabiliza capacidades de pagamentos, e, ou manutenção dos empreendimentos em curso junto aos agentes financeiros".

O benefício atingirá toda a área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), como o Vale do Jequitinhonha e do Mucuri, em Minas Gerais, no que se refere as dívidas rurais contratadas de 2012 a 2016 nas resoluções do Conselho Monetário Nacional, independentemente da fonte de financiamento de crédito rural.

Abaixo a Resolução na íntegra publicada no Diário Oficial da União.

 RESOLUÇÃO 4565, DE 27 DE ABRIL DE 2017

(Fonte EM TEMPO)

Tópicos

veja também


Publicidade

Últimas Notícias