Publicado em 29/03/2019 às 12h59

Governador encaminha alterações na reforma administrativa

Mudanças propostas foram incorporadas ao substitutivo da CCJ, que continua sem ser votado por falta de acordo.

98

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) recebeu, nesta terça-feira (26/3/19), mensagem do governador Romeu Zema encaminhando proposta de substitutivo ao Projeto de Lei (PL) 367/19, de sua autoria, que trata da reforma administrativa. O novo texto proposto pelo chefe do Executivo altera pontos da proposição original, acatando sugestões de blocos parlamentares, de lideranças dos servidores públicos e de representantes da sociedade civil.

Essas mudanças já foram acatadas, em sua maioria, pelo relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Guilherme da Cunha (Novo), no substitutivo nº 1 que apresentou e que ainda não foi votado na comissão, por falta de acordo, conforme explicitou em reunião da comissão também na tarde desta terça (26).

Mudanças - Entre as alterações, o governador propõe criar o cargo de secretário-geral Adjunto da Secretaria-Geral e de consultor-geral na Consultoria Técnico-Legislativa, com vencimento e verba de representação igual a de secretário de Estado.

O substitutivo volta a vincular o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag). O projeto original o transferia para a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF).

O novo texto traz outras medidas também na Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), tais como:

  • inclui competências de coordenação, gestão e fiscalização de atividades executadas nos entrepostos da Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (CeasaMinas);
  • inclusão da temática da agricultura familiar na denominação da Subsecretaria de Desenvolvimento Rural Sustentável;
  • desvinculação da Comissão Estadual dos Povos e Comunidades Tradicionais (CEPCT-MG) e do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea-MG), com a vinculação à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese);
  • subordinação do Conselho do Desenvolvimento do Agronegócio (Cedagro) e a vinculação da Fundação Educacional Caio Martins (Fucam), antes vinculada à Sedese.

Copasa e Copanor - Entre os pontos de destaque, o novo texto também vincula a Copasa e a Copanor à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que, originalmente, estavam vinculadas à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

Também traz, no âmbito da Sedese, a previsão da competência e da composição do Comitê Estadual de Prevenção à Tortura e de Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes (Cept-MG), bem como do Sistema Estadual de Prevenção da Tortura e outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes de Minas Gerais (Sisprev-MG).

Escola de Saúde - O novo texto, no entanto, mantém a fusão das subsecretarias de Prevenção à Criminalidade e Políticas sobre Drogas, duramente criticada pelos deputados. E não menciona a incorporação da Escola Pública de Saúde (ESP) pela Secretaria de Estado de Saúde, outro ponto que também foi rechaçado em debates na Assembleia.

(Fonte ALMG)

Tópicos

veja também


Publicidade

Últimas Notícias