Publicado em 05/06/2019 às 11h41

Suzano promoveu a restauração ambiental em 12 mil hectares nos últimos dez anos

Foram plantadas mais de 6,2 milhões de mudas de espécies nativas e conduzida a regeneração natural e o controle de espécies invasoras em áreas de conservação em municípios da Bahia e de Minas Gerais

130

Foto: Restauração na Bahia

Mucuri, 04 de junho/19 – Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente – celebrado em 5 de junho – a Suzano faz um balanço dos resultados do Programa de Restauração Ambiental que a empresa vem conduzindo desde 2010, e que vem contribuindo para enriquecer a cobertura florestal em municípios onde desenvolve suas atividades. Já são mais de 12 mil hectares de áreas em restauração implantadas em 9 municípios da Bahia e dois de Minas Gerais. Foram plantadas nessas áreas mais de 6,2 milhões de mudas de espécies nativas, além de ser realizada a condução da regeneração natural em áreas com potencial de autorregeneração e o controle de espécies invasoras em áreas de vegetação nativa com invasão biológica.

A restauração ambiental contribui para oferecer maior biodiversidade e gerar diversos serviços, entre eles a disponibilização de água, regulação do clima, controle de erosão, pragas e doenças. “O processo de restauração gera, ainda, oportunidade de renda e emprego, pois movimenta uma cadeia que inclui atividades como a produção de mudas de espécies nativas, o plantio, atividades de manutenção e monitoramento das áreas contempladas”, observa Guilherme Moro Neto, analista de Meio Ambiente Florestal da Suzano.

As mudas são adquiridas de viveiros comerciais e de dois viveiros comunitários localizados em Ibirapuã (BA) e Conceição da Barra (ES), e do viveiro social Meninos da Terra, em Linhares (ES). A execução do trabalho envolve prestadores de serviços contratados pela Suzano, atualmente 88 trabalhadores atuam na atividade. Além disso, há equipes de técnicos e supervisores de campo, totalizando 7 pessoas, que usam tecnologias como drone e aplicativos de navegação para realizar o planejamento das metodologias de restauração e o monitoramento das áreas, determinando a intervenção necessária para cada local. A empresa também mantém acordos com universidades, instituições governamentais, clientes e ONGs, como a The Nature Conservancy (TNC), buscando aperfeiçoar os métodos de restauração e otimizar os recursos destinados ao programa.

Foto: Plantio de nativas em áreas a ser restaurada

Áreas em restauração – Na Bahia e em Minas Gerais, os 12 mil hectares em processo de restauração até o final do mês de abril deste ano contemplam os municípios de Alcobaça, Caravelas, Ibirapuã, Lajedão, Mucuri, Nova Viçosa, Prado, Teixeira de Freitas e Vereda (BA), Carlos Chagas e Nanuque (MG). A empresa conta ainda com outros 6,7 mil hectares em processo de restauração em municípios do Espírito Santo, totalizando 18,7 mil hectares.

A Suzano utiliza diferentes técnicas no processo de restauração ambiental. Uma delas é o plantio manual de mudas em áreas de pasto onde a regeneração natural é insatisfatória ou média. Geralmente são utilizadas mudas de espécies que têm alta taxa de sobrevivência, crescimento rápido e boa cobertura de copa, proporcionando o rápido fechamento da área plantada. Outra técnica empregada é a condução da regeneração natural, em que são realizadas atividades de restauração como capinas e controle de formiga em locais em que a sucessão ecológica já está acontecendo. São áreas que já contam com regenerantes de árvores de espécies nativas em número suficiente, que são preservados e conduzidos para que se desenvolvam e se multipliquem naturalmente.

A empresa realiza, ainda, o controle de espécies exóticas e invasoras em áreas naturais com invasão biológica, controlando a dispersão de árvores que não são nativas da região e se comportam como invasoras, comprometendo a biodiversidade regional. Por fim, também é utilizado o isolamento, técnica que consiste na restauração por meio da sucessão ecológica, sem necessidade de emprego de métodos de condução da regeneração, pelo fato de não haver fatores de degradação que impeçam o desenvolvimento da regeneração existente na área.

A restauração é um processo que requer constantes pesquisas, parcerias com especialistas e fornecedores especializados a fim de avaliar e aprimorar a eficiência das metodologias empregadas. “A empresa vem testando o uso de ferramentas de sensoriamento remoto, a partir de imagens de satélite, drones e LIDAR (da sigla inglesa Light Detection And Ranging), a fim de detectar parâmetros ecológicos das áreas de restauração e gerar recomendações de manejo, explica Tathiane Sarcinelli, analista de Meio Ambiente Florestal da Suzano.

Sobre a Suzano – A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.

(Fonte P6 COMUNICAÇÃO)

Tópicos

veja também


Publicidade

Últimas Notícias